Sobre

Jair Junior

Jair Junior nasceu em Brasília no ano de 1989 e viveu toda sua infância e juventude na cidade satélite do Guará. Desde a infância, já despertara o interesse e a curiosidade por brinquedos eletrônicos, vídeo-games e computadores. Aos seus 10 anos, iniciou no curso de musicalização infantil da Escola de Música de Brasília – EMB. Estudou música clássica, canto coral, aprendeu a ler partituras e até a tocar flauta doce soprano. Sempre estudou em escola pública, completando o seu ensino médio no Centro Educacional 02 do Guará. Também estudou no CILG – Centro Interescolar de Línguas do Guará, onde se formou em inglês após 5 anos de curso.

Descobriu sua paixão pela Eletrônica no ano de 2006, quando ainda estava no ensino médio e adentrou o curso de Técnico em Eletrônica Industrial da Escola Técnica de Brasília – ETB. Lá, obteve destaque ganhando diversos prêmios na feira de ciências ETB Mix que acontecia semestralmente. Um dos projetos apresentados ganhou a primeira colocação, o qual consistia em um braço mecânico construído totalmente com material reaproveitado e  foi programado em linguagem Assembly num microcontrolador PIC16F877A.

Após obter a formação técnica, ao final do ano de 2007, começou em seu primeiro emprego como auxiliar de serviços gerais na rede de parques de diversão indoor HotZone. Pouco tempo depois, foi contratado como técnico em eletrônica na empresa Panacopy, que é uma revenda autorizada da marca Canon e trabalha com o segmento de máquinas reprográficas multifuncionais. Nesta empresa, teve a oportunidade de crescer, receber promoções e, inclusive, conquistou a certificação técnica internacional ATSP nível bronze com a segunda melhor nota do Brasil.

No início de 2009, após sua terceira tentativa para o vestibular da Universidade de Brasília, ingressou com êxito no curso de Engenharia Eletrônica da Faculdade Gama – FGA. Durante a graduação, desenvolveu suas habilidades matemáticas e suas habilidades com microcontroladores, desbravou o Linux e aprimorou muito suas técnicas de programação. Afinal, sistemas embarcados era a sua paixão maior. Além das disciplinas obrigatórias para a formação, fez estágio no laboratório de Mecatrônica do campus Darcy Ribeiro, trabalhando com CLPs da Rockwell Automation, participou do projeto REUNI – Reestruturação e Expansão das Universidades Federais – e participou de diversos projetos de pesquisa, sendo eles na área de biomédica e sistemas embarcados. Também foi monitor das disciplinas Introdução à Ciência da Computação, Elementos e Métodos em Eletrônica e Projeto de Circuitos Integrados Digitais.

Seu trabalho de conclusão de curso teve como tema a Verificação Funcional de Modelos Transacionais de Processadores utilizando a metodologia UVM (Universal Verification Methodology). O trabalho, que recebeu menção máxima por unanimidade da banca, consistiu na aplicação da metodologia UVM para verificar funcionalmente um dos blocos de estágio da pipeline de um processador MIPS32 descrito em linguagem SystemC. Apesar de bem pontual, o trabalho teve um aspecto pioneiro no país, pois até então era desconhecido um texto escrito em português abordando a UVM em níveis transacionais.

Ainda durante a faculdade, em 2012, foi aprovado no concurso do Instituto Federal de Brasília em 1º lugar para o cargo de Técnico em Eletrônica, onde trabalhou por 1 ano e 11 meses. Lá, trabalhou nos laboratórios de Eletrônica, Eletrotécnica e Prototipagem de PCBs desenvolvendo atividades de manutenção e inspeção dos equipamentos, além de cuidar das instalações elétricas dos respectivos laboratórios. Recebeu também treinamento para operar as máquinas de prototipagem da marca alemã LPKF (ProtoMat S103, ProtoLaser S, MultiPress, ProtoFlow S e ProtoPlace S) e também para desenvolver layouts de PCBs com o software Orcad da Cadence.

Logo após se formar, em meados de 2014, foi convocado para o concurso do STJ – Superior Tribunal de Justiça, onde encontra-se trabalhando atualmente. É um dos responsáveis técnicos pelo sistema de áudio e vídeo que integra os mais de 10 plenários de julgamento daquela importante corte, que é a que mais julga em todo o Brasil. E devido às suas novas atribuições no trabalho, tem estudado bastante a parte de processamento de sinais para áudio e vídeo, bem como acústica e a operação dos equipamentos que compõe um sistema completo de grande porte.

Atualmente, é aluno de pós-graduação lato sensu da PUC Minas no curso de Desenvolvimento de Aplicações Web e também cursa o nível A2 – DELF de língua francesa na Aliança Francesa.